Ciência e Saúde
Estudo foi divulgado no encontro anual da Sociedade Norte-americana de Menopausa Aproximadamente 80% das mulheres relatam a experiência com os famigerados suores noturnos que, a partir do período que antecede a menopausa, interrompem o sono durante a madrugada e interferem na qualidade de vida. Há pesquisas que associam a severidade dessas ondas de calor a um risco aumentado para doença cardiovascular e um estilo de vida sedentário – bastante frequente à medida que se envelhece – também estaria relacionado ao mesmo problema. A novidade é que os pesquisadores ainda não haviam se debruçado sobre o efeito do sedentarismo sobre os suores noturnos. Estudo divulgado no encontro anual da Sociedade Norte-americana de Menopausa diz que estilo de vida sedentário pode agravar suores noturnos na menopausa Jane13 para Pixabay Um novo estudo, divulgado no encontro anual da Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS, em inglês), realizado semana passada, procurou medir o comportamento sedentário como um fator preditor de ondas de calor em mulheres entre a perimenopausa e a pós-menopausa. “Com uma proporção tão grande de mulheres afetadas, o trabalho nos ajuda a identificar os gatilhos para esse quadro. Os profissionais de saúde devem rever a rotina das pacientes quando discutirem as opções de tratamento, para incluir mais exercício em seu dia a dia”, afirmou a médica Stephanie Faubion, diretora da entidade. Em outro artigo, pesquisadores sugerem que, no tratamento das complicações de saúde associadas à obesidade, cujo número de casos triplicou nos últimos 40 anos, o foco deveria ser mais em atividade física e menos na perda de peso. “Não somos contra a perda de peso, mas consideramos que ela não deveria ser o critério primário para o sucesso de um programa de intervenção no estilo de vida. Vivemos numa cultura obcecada pelo peso, mas gostaríamos que as pessoas entendessem que há corpos saudáveis de todos os formatos e tamanhos”, disse Glenn Gaesser, professor da fisiologia do exercício e do Colégio de Soluções para a Saúde da Universidade do Estado do Arizona (EUA). Glenn Gaesser: professor da Universidade do Estado do Arizona Divulgação Os autores defendem que a genética influi no peso de um indivíduo e que as dietas estão ligadas a alterações metabólicas relevantes que impedem ou dificultam sua manutenção. Se, por um lado, a obesidade está atrelada a doenças cardiovasculares, diabetes e câncer, o conhecido efeito sanfona também está associado a perda da força muscular, problemas de gordura no fígado e diabetes. “Basta sair do sofá para já se beneficiar”, enfatiza Gaesser, acrescentando: “é importante lembrar que a atividade física vai sendo acumulada ao longo do dia. Diversas caminhadas curtas são tão benéficas para a saúde quanto uma longa”. No artigo, os pesquisadores citam que a redução de riscos é consistentemente maior quando a pessoa se exercita do que quando se limita a dietas para a perda de peso. O estudo foi publicado no dia 20 na revista “iScience”.
Vacinas podem ser encaradas como mais um elemento para garantir um estilo de vida saudável O que é mais importante para você ter qualidade de vida nos próximos dez anos? A pergunta foi feita a 16 mil pessoas acima dos 50 anos, de oito países, entre eles o Brasil, e 94% cravaram boa saúde como resposta. O foco do levantamento, encomendado pela gigante farmacêutica GSK e realizado pelo instituto de pesquisa Kantar, era vacinação e envelhecimento saudável, e, se houve algum saldo positivo da pandemia, foi a valorização da saúde. Antes do novo coronavírus mudar a cara do século, 74% dos brasileiros consideravam o atributo muito importante; agora o percentual é de 85%, o mais alto entre os países pesquisados. Nos demais – Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Japão, Itália e Espanha – a média também subiu, passando de 65% para 76%. O Brasil ainda registrou uma alta notável da percepção sobre a relevância das vacinas: antes da pandemia, o percentual era de 59%, mas alcançou 83% na pesquisa, realizada nos meses de julho e agosto. Para Francesca Ceddia, vice-presidente global de assuntos médicos da GSK, as vacinas devem ser vistas como mais um elemento para garantir um estilo de vida saudável, assim como alimentação equilibrada, exercitar-se e não fumar: “a vacinação leva um estado de fitness imunológico, que ajuda a garantir resiliência física e independência por um período maior de nossas vidas”, declarou em coletiva realizada na quarta-feira. Produção de vacinas: imunização pode ser encarada como mais um elemento do estilo de vida saudável Ronstik para Pixabay Um dos dados curiosos da pesquisa aponta para uma espécie de “tensão” entre o que a ciência chama de velhice e a percepção que temos de nós mesmos. Diante da pergunta “do ponto de vista físico, com que idade você se sente?”, 50% dos brasileiros e alemães declararam que se sentiam mais jovens do que a sua idade cronológica, seguidos por norte-americanos (49%), espanhóis e canadenses (48%) e franceses (46%). Somente os japoneses foram modestos: apenas 23% se achavam mais jovens. Na verdade, ninguém se considera velho e essa é uma constatação que deveria pautar mudanças na abordagem do assunto – por exemplo, em vez de focar na necessidade de vacinar idosos, enfatizar seus benefícios, o que abrange todas as faixas etárias. Interessante é que o estudo mostra que os participantes têm consciência de que o sistema imunológico começa a declinar com o envelhecimento. Francesca Ceddia lembrou que a vacinação infantil foi responsável por prevenir doenças evitáveis em crianças e que o mesmo tem que ser feito em relação aos idosos: “os mais jovens, porque ainda não têm seu sistema imunológico completo, e os mais velhos, porque experimentam um declínio da sua imunidade, são os mais afetados, como mostram os números de pessoas acometidas por influenza. Depois do enorme avanço com o público infantil, temos que fazer o mesmo com o grupo sênior. Trata-se de uma prioridade de política pública de saúde”. Ela acrescentou que um quadro grave de gripe pode contribuir para uma ocorrência de evento cardiovascular: “as artérias ficam inflamadas, provocando seu estreitamento e aumentando o risco para pacientes que já têm uma placa obstrutiva. A vacinação reduz essa chance”. Também adiantou que vêm sendo estudadas alternativas para tornar as vacinas para idosos mais potentes, de forma a contornar o declínio do sistema imunológico: “estamos falando de estratégias como formulações com mais antígenos; com mais adjuvantes (que ajudam os antígenos a provocar respostas mais duráveis e poderosas); e de aplicação intradérmica (a mais comum é a intramuscular)”. E viva a ciência!
O casal se conheceu no ano passado e, em agosto deste ano, um dos cônjuges doou um de seus rins ao outro. Imagem de divulgação de campanha para financiamento de Reid Alexander e Rafael Díaz Divulgação/GoFundMe Um casal do estado de Denver, nos Estados Unidos, compartilharam um rim, de acordo com uma reportagem da NBC. Reid Alexander, de 24 anos, recebeu um transplante de seu marido, Rafael Díaz. Mais de 40 mil pessoas esperam por um transplante de órgão no Brasil Alexander foi diagnosticado com Síndrome de Alport aos 17 anos. Essa doença causa ferimentos na parede dos rins, o que leva, eventualmente, a uma incapacidade do órgão de funcionar. É uma doença relativamente rara —afeta uma pessoa em cada 5.000 ou 10.000. Também pode causar problemas de visão e audição (Alexander usa aparelho auditivo). Em abril de 2020, ele soube que o funcionamento de seus rins estava no nível de 20%. Esse é o nível em que o paciente passa a precisar de um transplante. Enquanto o rim não chega, é preciso começar a planejar a diálise. Poucos meses depois, ele conheceu Díaz em um aplicativo de relacionamentos. Os dois se conheceram em agosto do ano passado. Pouco depois do começo da relação, Díaz quis ser testado como um possível doador. Em fevereiro deste ano, os rins de Alexander pioraram, e ele começou a fazer diálise. São sessões longas, que duram até 5 horas, e é preciso fazê-las três vezes por semana. Em abril, os dois se casaram. A saúde de Alexander piorou, e ele recebeu prioridade na lista de transplantes. Díaz, então, se submeteu a uma análise para ver se ele tinha compatibilidade para poder doar um de seus rins. O resultado foi positivo. Em agosto de 2021, Alexander recebeu um dos rins de seu marido. Os dois já receberam alta, e estão na casa dos pais de Alexander, no estado de Indiana, para se recuperar. Veja os vídeos mais assistidos do g1
Atividades serão virtuais e as inscrições, abertas para participantes de todo o Brasil, começam amanhã Já tratei de ações que levam idosos a experimentar vivências artísticas como o Lata 65, tema da coluna de domingo, e o Opening Minds Through Art, mas ambas são estrangeiras. Por isso, fico feliz de poder apresentar uma iniciativa brasileira, aberta para participantes de todo o país e cujas inscrições ficarão abertas, a partir desta sexta, nesse link. Trata-se da “Mostra Sentidos – A Longevidade na Arte”, promovida pelo Sesc-SP, que oferece nove oficinas virtuais, todas gratuitas, para pessoas acima dos 60 anos. O evento já está em sua quinta edição, mas a atual terá um resultado diferente: as sessões serão filmadas e editadas, transformando-se em “espetáculos” que estarão disponíveis nas redes sociais da entidade de 9 a 12 de dezembro. Idosos em oficina de teatro com a Cia Hiato Divulgação Em 2020, foi feito um webdocumentário sobre a quarta edição que serviu de inspiração para expandir o projeto deste ano. O novo formato vai mostrar que os idosos não somente são tocados pelo aprendizado nas sessões dos workshops, mas também são capazes de criar e provocar a reflexão do público. As oficinas começarão em 1º. de outubro, Dia Internacional da Pessoa Idosa, criado para sensibilizar a sociedade para as questões do envelhecimento, e se encerrarão em 15 de novembro. Serão cinco de teatro e quatro de dança, todas dadas por expoentes em sua área. As vivências teatrais ficarão a cargo de atores da Cia Hiato, Cristian Beltrán, Andrea Zeppini, Ademir Apparício Júnior e Daiane Baumgartner. Luis Ferron, coreógrafo que acumula prêmios como o Rumos Itaú Cultural de 2006 e o APCA 2009, será um dos professores de dança, além de Gal Martins, Andrea Soares, Fagner Rodrigues e Andrea Capelli. Luis Ferron, responsável por uma das oficinas de dança da Mostra Sentidos, do Sesc-SP Clarissa Lambert Uma outra iniciativa estimulante é a das Fábricas de Cultura, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo. De acesso gratuito, elas disponibilizam inúmeras atividades, mas há um projeto especialmente dedicado a artistas com mais de 60 anos. Seu objetivo é revelar o talento de músicos e intérpretes que são frequentadores das unidades de Vila Curuçá, Sapopemba, Itaim Paulista, Parque Belém, Cidade Tiradentes e São Bernardo do Campo. A primeira seleção ocorreu durante 2020: as gravações foram feitas nos estúdios das instituições e os videoclipes já estão disponíveis no YouTube. Alguns talentos descobertos: Marco Antonio, cantando “Flor mais linda”; Fátima Moreno, interpretando “Grande amor”; e Laerte Marques, com o delicioso “Sushi com vatapá”. Outros clipes podem ser conferidos aqui. Marco Antonio cantando “Flor mais linda”: projeto Fábricas de Cultura Divulgação
Últimas Notícias
Bebida alcoólica corta o efeito dos analgésicos? Veja mitos e verdades
Algumas pessoas acreditam que as bebidas alcoólicas cortam o efeito dos medicamentos, no entanto o álcool não interfere na ação dos remédios. O que ocorre é que, por ter um efeito diurético, o álcool faz o organismo excretar mais rapidamente os analgésicos, interferindo na duração da ação desses fármacos.
Sorvete é ameaça? Veja mitos e verdades sobre doenças respiratórias
Assim que o tempo esfria as mães já alertam os filhos para vestirem um casaco. Mas será que ficar agasalhado impede mesmo o contágio da gripe? E tomar um chá quente? Será que ajuda? Ficar exposto ao ar condicionado provoca doenças respiratórias?
 
CHECK UP - ROTINA LABORATORIAL
Check-up Laboratorial é uma bateria de exames indispensável que inclui a orientação dos médicos dos riscos para a sua saúde...
SEXAGEM FETAL
Atualmente é raro encontrar casais que preferem esperar o momento do parto para satisfazer a curiosidade quanto ao sexo do bebê. Cada vez mais, eles têm pressa em saber se o filho vai ser um menino ou uma menina, para o quanto antes lhe dar um nome, fazer planos, comprar o enxoval e até preparar e decorar o quarto tão sonhado.
TESTE DE PATERNIDADE - DNA
O Teste de paternidade ou DNA refere-se a investigação de parentesco entre pessoas...
Acompanhe
Entre em contato
Matriz: (43) 3546-1440
4384315131
Todos os Direitos Reservados à Laboratório Vera Cruz
Rua Rui Barbosa, 871 - Centro - Ibaiti - Paraná - Fone:(43) 3546 1440